Ministério da Saúde inclui todas as pessoas com deficiência nos grupos prioritários para vacinação

mão segurando um pequeno frasci transparente com uma etiqueta escrito: covid 19

Até então, somente as pessoas com deficiência grave ou severa haviam sido contempladas.

Por Fátima El Kadri

A quarta edição do Plano Nacional de Vacinação, divulgada na última segunda-feira (15/2) pelo Ministério da Saúde, passou a incluir todas as pessoas com deficiência entre os grupos prioritários para receber a imunização. 

A versão anterior do documento priorizava apenas as pessoas com deficiência grave ou severa. A última atualização contempla, agora, as pessoas com deficiência institucionalizadas (residentes em instituições ou unidades de acolhimento do governo) e também as pessoas com deficiência permanente, independentemente da sua gravidade. 

Uma vitória obtida pela mobilização das entidades e ativistas pelos direitos das pessoas com deficiência. Mas, na opinião de Luiz Carlos Lopes, jornalista e Analista de Políticas Públicas da prefeitura de São Paulo, as alterações contidas no plano de imunização ainda são insuficientes. 

“Sem dúvida, um pequeno avanço, mas os 7,7 milhões de pessoas com deficiência agora incluídas disputam o espaço da priorização com várias categorias profissionais e com pacientes expostos a certas patologias. E o documento não traz nenhuma indicação de em qual fase da vacinação as pessoas com deficiência seriam incluídas”, observa ele.

“Vacinar professores, motoristas e policiais tem lógica muito mais ligada à interrupção do ciclo de transmissão do vírus do que à redução de mortes nesse segmento. Já no grupo de idosos, o efeito imediato é salvar vidas, justificando plenamente sua priorização. Seguindo este raciocínio, acredito que seria mais estratégico e justo reivindicarmos que um subgrupo específico de pessoas com deficiência (aquelas com problemas neuromusculares, algumas síndromes e doenças raras que comprometam o sistema respiratório) sejam priorizados já na terceira fase do plano, pois correm efetivo risco de morte se contraírem a Covid-19”, completa Luiz Carlos Lopes. 

Veja a versão atualizada do Plano Nacional de Imunização e conheça todos os grupos prioritários clicando aqui.

Voltar para Notícias