Ambiente de convivência solidária e respeito mútuo inspiram o Programa de Inclusão da Serasa Experian

Descrição de Imagem: Equipe de funcionários da Serasa no espaço de trabalho, com Gabriel vestindo camisa azul e crachá da empresa, sorrindo para os demais.
Gabriel Floroschk, assistente de escritório na SERASA Experian

Especializada em Serviços e Consultoria com soluções de crédito, marketing e consulta de dados, a Serasa Experian tem 45 anos de atividades no Brasil e um quadro com mais de 2500 funcionários, incluindo 120 pessoas com deficiência.

Seu Programa de Inclusão integra a estratégia de gestão de pessoas da área de Sustentabilidade Corporativa, cujo objetivo é promover um ambiente de convivência solidária e respeito mútuo. O programa é gerido por uma equipe dedicada e conta com o apoio de consultoria especializada em pessoas com deficiência. As ações do Programa visam a verdadeira inclusão desses profissionais, e sua premissa básica é a equidade de condições para a realização dos trabalhos, seja através de tecnologias assistivas, de treinamentos ou acompanhamento social. Além da inclusão, a empresa assume sério comprometimento com a retenção e o desenvolvimento dos seus colaboradores com quaisquer tipos de deficiência: física, auditiva, intelectual, visual ou múltipla.

Como exemplo, trazemos o caso de Gabriel Floroschk, com síndrome de down, admitido em 2014, aos dezoito anos. Desde seu ingresso, os colegas observam seu desenvolvimento pessoal e profissional, que o levam a assumir novas atividades periodicamente. Um fato importante a destacar, é que Gabriel contribui para um clima mais solidário na empresa, e sua equipe demonstra maior espírito de companheirismo e respeito.

Para as atividades dos funcionários com deficiência, a Serasa conta com o suporte da ONG ADID, que orienta nas dificuldades de aprendizado para que exerçam suas funções com competência.

Sociável e comprometido, Gabriel trabalha na área de Recebimento & Expedição, e nos conta um pouco de sua experiência profissional:

“A primeira atividade que eu tinha, quando comecei a trabalhar na Serasa, era conferir todos os envelopes, um a um, e separar os que estavam vazios. Depois comecei a grampear os documentos antes de colocar no malote e, hoje, também faço a conferência do relógio de ponto eletrônico. Agora estou treinando a leitura dos meus e-mails, mas isso ainda está um pouco difícil. Gosto muito de trabalhar na Serasa: dos amigos e da empresa. Esse é meu primeiro emprego e me sinto bem diferente de quando cheguei aqui, agora estou mais solto, livre e aberto para conversar com as pessoas”. Gabriel Floroschk, 20 anos, auxiliar de Expedição.

Voltar para Boas Práticas