Inclusão de pessoas com transtornos mentais graves no mercado de trabalho é realidade no Sul

Bernardo Amorim, formado pelo projeto Capacitar, em atividade no supermercado

Desenvolvido pelo Centro de Prevenção e Intervenção nas Psicoses (CPIP), ONG de Porto Alegre (RS), o projeto Capacitar  atua com estratégias que viabilizam a inclusão social de pessoas com transtornos mentais graves no mercado formal de trabalho.  Além de processos de capacitação, acompanhamento e estágio, o projeto afirma a atividade profissional como um direito de todos.

O Capacitar utiliza a  metodologia de trabalho apoiado, que  capacita técnicos para dar apoio às pessoas com deficiência que desejam atuar no mercado.  Suas atividades incluem oficinas de sensibilização com professores e orientadores de entidades formadoras, sistematização das  atividades desenvolvidas,  avaliação e acompanhamento aos assistidos. A CPIP também busca parcerias intersetoriais, faz encontros mensais com os alunos, seus familiares, e  entidades  empregadoras. Desde 2008 as seguintes instituições atuam junto ao projeto Capacitar: Prefeitura Municipal de Porto Alegre – Secretaria Municipal de Saúde – CAPS Cais Mental Centro; Projeto Vivendo e Reaprendendo – Centro de Prevenção e Intervenção nas Psicoses; SENAC Comunidade, e Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul.

Os alunos chegam ao projeto Capacitar através da  rede de atenção psicossocial do município de Porto Alegre e, após passarem pelas instituições formadoras, são encaminhados aos empregadores parceiros, na condição de aprendizes com deficiência psicossocial, conforme estabelece o artigo 428, §5º, da CLT.

E foi assim com  o aluno Bernardo Salguero.  Ele ingressou no Capacitar em 2011, obteve formação profissional no Senac Comunidade,  trabalhou primeiramente em um supermercado (foto) e, há dois anos, atua no setor administrativo de uma corretora de valores de Porto Alegre. Veja seu depoimento:

 “Meu nome é Bernardo Amorim Salguero, tenho 37 anos. Há cerca de 20 anos tive transtorno bipolar, fobias e transtorno obsessivo compulsivo. Sem diagnóstico preciso, sofri bastante com muitas privações – de amizades a emprego.  Só aos 34 anos, com a medicação ajustada por um tratamento num posto de saúde mental, pude evoluir o suficiente para entrar no projeto Capacitar. Hoje estou bem reintegrado ao mercado de trabalho, satisfeito e com a mente sã para criar e sonhar novos objetivos”. Bernardo Amorim Salguero, auxiliar administrativo.

Programa Senac de Acessibilidade 

Criado em 2011, o Senac de Acessibilidade  fundamenta-se nos quatro pressupostos da UNESCO para educação do novo milênio: aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser.

O programa tem como objetivo primordial a inclusão de pessoas com deficiência nos processos sociais e no mundo do trabalho – só no Brasil, são 24,5 milhões de pessoas. Para tanto, incentiva a inclusão dessa população nas programações regulares, e promove o pleno convívio das diferenças entre pessoas com ou sem deficiência em sala de aula, só atendendo pessoas com deficiência em turmas especiais quando é solicitado por organizações parceiras.

Independentemente da situação física e mental dos seus alunos, alicerçado nos princípios universais de respeito à diversidade humana e da prática da democracia e da cidadania, o Senac busca formar cidadãos cada vez mais conscientes de seus direitos, melhorando a qualidade de vida dessa população.

O Programa Senac de Acessibilidade também prevê a contratação desses profissionais pelo próprio Senac.

Voltar para Boas Práticas