Citi melhora avaliação de Clima com inclusão de pessoas com deficiência

Descrição de Imagem: Fotografia de Daniel Paz, trabalhador do Citibank. É um homem branco de cabelos escuros e curtos. Veste um terno escuro e usa gravata. Na foto está sorrindo e com os braços cruzados, a manga do paletó do braço esquerdo é mais curta, de forma que podemos ver a deficiência do seu antebraço

No Citibank a diversidade tem lugar estratégico, com ações efetivas pela inclusão étnica e social, maior participação das lideranças femininas, contratação de pessoas com deficiência, LGBT e pessoas acima de 50 anos.

Perfil demográfico das pessoas com deficiência no Citi:

Gráfico em formato de pizza dividido pedaços de cores diferentes representando as porcentagens dos tipos de defiiciência dos trabalhadores do Citi. Ao lado direito do gráfico está uma legenda com os tipos de deficiência e as cores que elas são representadas no gráfico.

Gráfico que mostra o perfil dos trabalhadores com deficiência do Citibank. 56% de trabalhadores com deficiência física, 17% de trabalhadores com deficiência intelectual, 15% de trabalhadores com deficiência visual, 11% de trabalhadores com deficiência auditiva, 1% de trabalhadores com deficiência múltipla e 0% de trabalhadores reabilitados.

Como mostra o quadro, a maioria das vagas no Citi é preenchida por pessoas com deficiência física. É o caso de Daniel Paz, que nos dá seu depoimento:

“Tenho 21 anos e possuo uma deficiência física congênita denominada ausência de antebraço esquerdo (CID Q 71.2). Comecei a trabalhar aos 16 anos como assistente de Marketing e, em março de 2013, vim para o Citi ocupar uma vaga de analista Financeiro. Eu tinha acabado de entrar na faculdade de Administração de Empresas e não tinha conhecimento da área financeira. Não me identifiquei com a vaga e decidi pedir demissão, mas fui aconselhado pela pessoa que me contratou a ser persistente e identificar outra área mais adequada ao meu perfil, ao invés de ‘jogar a toalha’. Fiquei satisfeito com as oportunidades de aprendizado na área financeira e, após 9 meses, fui realocado para a área de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade.

“A flexibilidade oferecida pelo banco para equilibrar vida pessoal, trabalho, estudos, e a possibilidade de abraçar projetos maiores me motivam a superar minhas metas e entregas. Não  me vejo como um funcionário deficiente e sim como um funcionário que executa atividades significativas para a organização. Além disso, integrar um time competente,  que incentiva a diversidade é o diferencial que faz do Citi o melhor lugar para deficientes físicos trabalharem. Sinto-me valorizado e percebo que muitas oportunidades têm surgido para minha carreira”, afirma Daniel Paz.

Inclusão de pessoas com deficiência intelectual

Em 2007, o Citi Brasil criou o projeto SOMAR, voltado à oportunidades de emprego e carreira para pessoas com deficiência intelectual, onde os candidatos passam por um período de capacitação com a metodologia de emprego apoiado desenvolvida internamente. São oficinas vivenciais que simulam as rotinas administrativas diárias, como recepção e atendimento. “O SOMAR, desenhado com o apoio de instituições especializadas, tem 96% de índice de retenção dos participantes e é usado como referência para iniciativas similares do banco em outros países”, informa Adriano Bandini, Especialista em Diversidade.

Análises qualitativas e quantitativas das dimensões que compõem o índice da saúde organizacional, elaborado pelo Instituto McKinsey, comprovam que a presença de pessoas com Síndrome de Down no ambiente de trabalho podem impactar positivamente em cinco  dimensões: liderança, orientação externa, motivação, cultura e clima, coordenação e controle. “Após a inclusão de pessoas com diversos tipos de deficiência, temos tido, nos últimos 5 anos, os melhores resultados globais na pesquisa de clima”, afirma Adriano Bandini.

A vaga de auxiliar bancário nas agências foi identificada como a melhor oportunidade para o início da inclusão de pessoas com deficiência intelectual no Citi. É um cargo de apoio que consiste em atividades de baixa complexidade, rotina preestabelecida e acompanhamento diário de um tutor. No final de 2013, o SOMAR já abrangia 100% das agências da Grande São Paulo, com profissionais trabalhando em áreas administrativas e no primeiro atendimento ao cliente nas agências do Citi. Já passaram pelo Projeto Somar 50 pessoas com deficiência intelectual leve ou moderada, com idades entre 22 e 45 anos, e que trabalham seis horas por dia.

“É legal ver uma empresa que exerce a meritocracia independente de outros fatores e que permite que o funcionário progrida e impulsione a outros também”. Daniel Paz, Analista de Marketing, Citi Brasil

Voltar para Boas Práticas