Aluna surda recebe título de mestre após defender dissertação em Libras

Fotografia registra o momento da defesa de Anne Karina. Ela olha e gesticula para o intérprete de Libras

Publicado em: 03/04/2019


O tema versava sobre a Língua Brasileira de Sinais e foi apresentado em Libras. Anne Karine é surda e se fez compreender durante todo o curso e no final do mestrado, na Universidade Federal de Alagoas, com o apoio do seu orientador, o professor e doutor em Linguística, Jair Barbosa.

Foi a primeira aluna surda da universidade a realizar o feito, ao tornar-se Mestre após defender a dissertação Marcadores prosódicos da Libras: o papel das expressões corporais, no Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura  (PPGLL) da Ufal, em março passado. Também, a primeira estudante surda  a receber o título acadêmico de mestrado no Estado de Alagoas.

Anne Karine explicou que o seu estudo é “voltado para a descrição dos marcadores prosódicos da Libras, explicando tratar-se de uma língua de modalidade visuogestual.  Antes disso, havia se graduado em Letras (Espanhol), numa outra instituição.

“O momento de fato foi de inclusão. Surda, numa sala de aula com intérprete de Libras. Porém, tive dificuldade na área de linguística. Foi um desafio estudar análise teórica e linguística”, contou. Apesar de fluente em Libras, ela teve de superar a adaptação da linguagem científica em língua portuguesa. Principalmente a construção argumentativa, que é diferente.

“Pensei em mudança para outras áreas, a exemplo da biologia ou pedagogia, mas decidi continuar com a graduação. Para mim, todo desafio é razão para desenvolver a vida”, diz ela que, atualmente, faz o curso de Letras Libras pela Faculdade de Letras (Fale) da Ufal. 

Ensino inclusivo

 “A formação da Anne Karine é um marco histórico para a Ufal e para a Comunidade Surda alagoana, que a terá como referência. Enquanto orientador, fico bastante feliz por esse momento que é, a um só tempo, de comemoração e de superações de diversos obstáculos sociais e acadêmicos”, enfatizou o professor Jair Barbosa. 

A Universidade Federal de Alaboas pratica estimula o ensino inclusivo desde 2016, por meio de políticas linguísticas e de acessibilidade.  “A Anne Karine fez parte do primeiro grupo de pessoas surdas do PPGLL. Agora, mestra em Linguística, destaco o fato de ela ser a primeira mulher, negra e surda formada em nível de pós-graduação stricto senso em território alagoano”, comemora o docente.

Ao todo, 12 aulos surdos estão matriculados no Programa, nove deles são professores de instituições federais (UFCG, IFPE, UFRPE, UFC, UFS, UFPB e Univasf) e os demais em instituições privadas. “Temos também a surda Érika Silva, que, em busca de oportunidade para estudar, foi para o Sul do país, onde fez mestrado e hoje é aluna de doutorado na UFRGS, onde também é professora. 

Confira a matéria completa em:

https://ufal.br/ufal/noticias/2019/3/ufal-tem-a-primeira-mulher-surda-a-defender-mestrado-em-alagoas

Texto: Adriana do Amaral

Voltar para Notícias