Calçadas e sinalização continuam precárias em 27 capitais brasileiras

foto de calçada de mosaico português. Faltam muitas pedras, o que forma buracos no calçamento.
Calçada de escola estadual, na av. Consolação, em São Paulo. Foto: Regina Rocha/ Mobilize Brasil

Pesquisa do Mobilize Brasil avaliou locais públicos em 27 capitais do país. Resultados serão apresentados em São Paulo

Fonte: https://www.mobilize.org.br
Autor: Marcos de Sousa
Postado em: 17 de setembro de 2019

Nesta quinta-feira (19), em São Paulo, o Mobilize Brasil estará apresentando os resultados das avaliações de acessibilidade e caminhabilidade realizados nas calçadas das 27 capitais brasileiras. 

Para essa avaliação, a equipe realizou uma ampla pesquisa das experiências internacionais, seguida por uma série de encontros com especialistas de organizações brasileiras que atuam no estímulo à mobilidade ativa. O trabalho resultou em uma metodologia de avaliação simples e intuitiva, que pode ser aplicada em qualquer cidade brasileira, por qualquer pessoa com um mínimo de treinamento.

Com apoio dessa metodologia, foi formada uma rede de colaboradores, nas 27 capitais, que saíram às ruas entre os meses de março e julho para fazer o levantamento das proximidades de locais com grande circulação de pessoas a pé, como hospitais, escolas, mercados, terminais de transportes, edifícios da administração pública, praças e parques, entre outros espaços.

Os avaliadores visitaram, fotografaram, tomaram medições, e atribuíram notas de zero a dez para cada um dos 13 itens considerados na pesquisa: regularidade do piso, largura da calçada, inclinação transversal da calçada, existência de barreiras e obstáculos, condições de rampas de acessibilidade, faixas de pedestres, semáforos de pedestres, mapas e placas de orientação, arborização e paisagismo, mobiliário urbano, poluição atmosférica, ruído urbano e segurança. Por fim, essas notas foram ponderadas e tabuladas para a geração de dados sobre cada cidade e de todo o Brasil.  

A média nacional, entre todas as 27 capitais e considerando todos os itens avaliados, ficou em 5,71, uma média baixa, já que os critérios do estudo estabeleciam que o mínimo aceitável seria a nota 8, numa escala de zero a dez. O mais grave é que todos os 835 locais avaliados estão sob responsabilidade direta dos governos, em seus três níveis. “Se os governantes não cumprem as leis e normas, como esperar que o morador zele por sua calçada?”, comenta Ricky Ribeiro, diretor do Mobilize Brasil. 

Os resultados serão publicados e entregues na forma de um relatório aos prefeitos e outras autoridades envolvidas na construção e manutenção dessa infraestrutura básica para as cidades. Antes disso, haverá uma apresentação dos detalhes desse trabalho a jornalistas e convidados, para esclarecimento de dúvidas.

Saiba mais sobre a Campanha Calçadas do Brasil

Voltar para Notícias