São Paulo ganha biblioteca equipada com tecnologia vestível para leitura das obras

Descrição da imagem: Homem usa óculos com o dispositivo orcam my eye na aste do óculos. Ele tem a pele clara e os cabelos castanhos e está de perfil.
Homem usa a tecnologia OrCam MyEye, dispositivo vestível montado na armação de óculos com uma câmera projetada. O equipamento fotografa, escaneia e transforma textos e números em áudio com um simples apontar de dedo.

Estima-se que a Grande São Paulo tenha 1 milhão de pessoas com deficiência visual e só 4%, cerca de 40 mil, atuem no mercado de trabalho. No dia 1º de março a Unibes Cultural inaugura para esse público o Espaço de Leitura Bibliotech, uma biblioteca equipada com o OrCam MyEye, tecnologia vestível que permite a deficientes visuais “ler” qualquer uma das obras disponíveis no centro cultural.

Nessa ação pioneira, o centro cultural que atua como hub da cultura, empreendedorismo criativo e das causas sociais na cidade de São Paulo, permitirá que todo deficiente visual tenha acesso a qualquer obra impressa do acervo local, que tem cerca de 600 títulos.

Para este novo espaço, com acesso a cadeirantes, a Unibes em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e com o Estante Virtual, vai agregar mais três centenas de obras relevantes da literatura mundial, cuja maioria nunca ganhou versões acessíveis. Em torno de 100 destes títulos já estarão disponíveis desde o dia 1º de março, que contará também com a presença de um profissional para auxiliar no uso do equipamento.

OrCam MyEye

O OrCam MyEye é um dispositivo vestível intuitivo montado na armação de um óculos e com uma câmera projetada. O equipamento fotografa, escaneia e transforma textos e números em áudio com um simples apontar de dedo. O usuário consegue “ler” em qualquer plataforma: livros, revistas, jornais, placas de sinalização, cardápios, telas de smartphones e computadores de maneira offline e sem a necessidade de nenhum outro suporte ou ajuda externa.  Após o reconhecimento, o dispositivo retransmite imediatamente a informação no ouvido do usuário por meio de um fone de ouvido pessoal.

“Nossa missão é auxiliar pessoas com deficiência visual para que possam estudar, trabalhar e viver suas vidas com independência”, ressalta Ziv Aviram, presidente e CEO mundial da empresa.

A tecnologia

Criada pelo empreendedor israelense Ziv Aviram e pelo professor da Universidade de Jerusalém, Amnon Shashua, a tecnologia trabalha a partir dos algoritmos da inteligência artificial. Em 1999, eles idealizaram um carro autônomo, um “carro do bem” que não causasse acidentes e criaram a startup Mobileye. Hoje, 90% dos principais fabricantes de automóveis do mundo usam a tecnologia da Mobileye para tornar seus veículos mais seguros para dirigir. Em 2010, essa tecnologia foi ampliada e aplicada para humanos por meio do OrCam MyEye, que aproveita o poder da visão artificial e da tecnologia vestível para trazer bem-estar às pessoas com deficiência visual, auxiliando nas tarefas diárias.

Referência no universo da inteligência artificial, a startup foi vendida no início de 2017 por US$ 15,3 bilhões para a INTEL, valor mais alto já pago na história israelense para uma empresa de tecnologia.

“O aparelho fotografa, escaneia e transforma textos em áudio imediatamente. Não será mais necessário pedir para alguém ler uma revista, livro ou jornal, pois o OrCam MyEye fará isso. O mesmo vale para placas de rua, cardápios de restaurantes, nomes de lojas, mensagens do celular, folhetos etc”, afirma Doron Sadka, diretor da Mais Autonomia, que representa o produto no país.

O OrCam MyEye é uma ferramenta de inclusão que aproveita o poder da visão artificial e da tecnologia vestível para reconhecer textos em qualquer plataforma que tenha números e letras. Já o reconhecimento de produtos acontece a partir do cadastro de até 150 itens e o reconhecimento de faces auxilia o usuário a identificar as pessoas ao seu redor, gerando mais sociabilidade. É possível cadastrar até 100 rostos. Sempre que o usuário passar por uma pessoa cadastrada, o dispositivo informará o nome, revelando quem está à sua frente.

“O OrCam My Eye me permitiu ler pela primeira vez placas de carro e de rua, cardápio de restaurante, localizar produtos em geladeiras. Nós, pessoas com deficiência visual, almejamos sempre a autonomia dentro de casa, na rua e em estabelecimentos”, revela o jornalista Teco Barbero, um dos primeiros a experimentar o dispositivo no Brasil.

Unibes Cultural

Ao completar dois anos de atividade, a Unibes Cultural consolida seu papel de convergir, conectar e distribuir cultura e diferentes conhecimentos, assumindo a vocação não só de formadora de público, mas também de agente transformador do cenário cultural.

Informações sobre o produto OrCam My Eye : http://www.maisautonomia.com.br

 

Por Stela Masson, 23/02/2018

Voltar para Notícias